fbpx

O Nubank é a nova Apple

Como a empresa utilizou o Design para revolucionar o mercado financeiro brasileiro.

Antes de falarmos sobre o Nubank, precisamos entender quem foi a Apple, independente se você gosta ou não dos produtos, os números não mentem: A Apple é uma das empresas mais valiosas do planeta. E ela não chegou lá com produtos ruins, ou somente com fãs.

E claro, para continuarmos neste artigo, gostaria de deixar claro que esta é somente uma visão pessoal e externa da empresa, que mescla meus perfis de Cliente e Designer de Produto.

Ok, chega de enrolação e vamos entender como o Nubank se tornou uma espécie de Apple, e o mais curioso: Em terras tupiniquins.

Mas de onde surgiu a Apple?

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

A empresa da maçã foi fundada no ano de 1976, em Cupertino (CA), por Steve Jobs e Steve Wozniak. Naquela época, a empresa que comandava o mercado era a gigantesca e tradicional IBM.

No início, Steve Jobs e Wozniak tentaram vender seus produtos/projetos para empresas como HP (Empresa anterior de Woz) e Atari (Empresa anterior de Jobs), mas foram duramente criticados, pois os líderes dessas empresas não acreditavam que os computadores pessoais eram o futuro. Em vista disto, Jobs e Woz resolveram fazer por contra própria e comercializarem através da Apple, foi assim então que nasceu.

Seu primeiro produto foi o Apple I (primeiro computador pessoal da história), e seus lucros de vendas foram usados para a produção do Apple II. Enquanto seu novo produto era desenvolvido, a empresa começou a trabalhar em sua Interface Gráfica, que havia sendo desenvolvida pela Xerox. E foi assim que a Microsoft apareceu no radar: Prestando serviços à Apple e copiando o Sistema Operacional do Lisa (primeiro computador com interface gráfica do mundo) e lançando antes mesmo da Apple.

O Lisa fracassou por diversos motivos (orçamento, prazo e etc), mas isto serviu de gatilho para a produção do Macintosh, que seria lançado em 1984, e foi aí que a história começou a mudar.

Entendendo o contexto

Naquele momento, não existiam computadores sendo usados como conhecemos hoje. Eles eram usados somente por empresas, por pessoas altamente qualificadas e eram extremamente difíceis de serem utilizados.

Jobs ao ver que Woz estava fazendo um projeto de um computador pessoal teve um estalo e viu uma ótima oportunidade: Por que não damos este poder na mão de todos?

Era 1976, e era difícil entender até mesmo para os donos das maiores empresas do mercado. Mas, Jobs estava certo.

Jobs se importava muito com o Design, e entendeu a verdadeira essência: Resolver um problema. Naquela época as pessoas não sabiam que queriam um computador pessoal em casa, mas depois de entenderem que seria bom, passaram a querer. Ou seja, eles criaram a demanda, e entregaram algo que resolvia seus problemas e desejos.

Mas para Jobs, o Design deveria ir além. Os produtos deveriam primeiro funcionar bem, e depois deveriam ser belos. E nisto, a Apple cumpriu com maestria.

De acordo com Löbach (2001), o bom Design deve atender três funções básicas, são elas: Prática, Estética e Simbólica. Aplicando isto ao grande primeiro sucesso da Apple, isto está estupidamente correto. O Macintosh tinha uma função muito bem definida para atender seus usuários, possuia uma estética muito atraente e moderna para seu tempo e simbolizava a quebra do status quo e futuramente passou a representar pravata.

"A maioria das pessoas pensam que o Design é como as coisas aparentam ser, mas na verdade não é como elas aparentam ser, e sim como elas funcionam."


"Hello World" — Apple Macintosh — 1984

O Design como um todo

A Apple não só revolucionou com seu jeito “Design” de pensar, mas também com seus produtos, através da sua função, da sua estética dentro e fora da carcaça. E é aqui o ponto em que eu queria chegar: Até hoje temos a Apple como referência. Seja como modelo de negócios, jeito diferente de pensar, seus produtos, seus sistemas operacionais, seus comerciais… Tudo, tudo isto por conta do Design.

”Seja um parâmetro de qualidade. Algumas pessoas não estão acostumadas a um ambiente onde a excelência é esperada.”


A revolução cultural e comportamental se deu após os usuários realizarem que era bom ter uma máquina como aquela em casa, que poderia ajudar em seu trabalho, seu lazer e também era uma peça tão bonita quanto uma peça de decoração. Pelo fato de ser tudo extremamente novo, tudo parecia ser muito bonito e tudo funcionava para que o usuário cumprisse uma simples tarefa.

Por mais que existem outras empresas tão boas quanto, ou até mesmo com produtos melhores (Oi Xiaomi, me patrocina), é fato que a Apple revolucionou diversos mercados em que hoje estamos inseridos, e fomos impactados direta e indiretamente por seus produtos, e seus produtos foram guiados pelo Design.

O Nubank aprendeu

Embora o Nubank tenha seus princípios muito bem definidos, eles trabalham em cima de 3 premissas: Tecnologia, Data Science e Design. Mas eu gostaria de focar no Design, pois na minha concepção, sem ele não seria possível chegar onde a empresa chegou.

Não estou dizendo que só deu certo por conta do Design, e sim que este foi um dos principais fatores. Nós clientes amamos o atendimento, amamos a comunicação, os benefícios e tudo mais, portanto, não quero excluí-los deste artigo, somente não evidenciá-los.

Se quiser entender mais a fundo como o Design funciona no Nubank, eu sugiro este artigo como leitura.

O Nubank nasceu após uma péssima experiência vivida por um dos CEOs do banco, que foi de tentar abrir uma conta no banco. Eu nem preciso dizer que você sabe bem do que estou falando, né? Pois é. Então, a semente de um banco foi plantada e David Vélez (CEO) foi atrás de sócios para construir a ideia. Seu nome “Nu” se caracteriza por ser algo que simboliza transparência e também por fazer oposição aos bancos tradicionais e velhos, assemelhando à palavra “new”.

Me lembro bem que quando o Nubank estourou, os convites eram mais disputados do que Copa do Mundo, e todo mundo queria ter o cartão roxo. Mas, na verdade ninguém sabia direito o porquê, mas queriam ter. Mais uma vez o gatilho mental foi implantado: Que tal um banco sem tarifas abusivas, fácil de usar e tudo no seu celular?

Primeiro, o Nubank encantou com seu cartão, visualmente falando. Possuía características completamente diferentes dos cartões convencionais, onde só tinha uma cor, sem ruídos e era lindo. Mas não era só isso. Também vimos a facilidade que era abrir uma conta, controlar tudo aquilo pelo app, não ter que assinar papelada e nenhuma dor de cabeça… Estávamos participando de uma revolução e nem nos damos conta.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Primeiro, vimos o Design sendo aplicado como forma de pensar, a fim de buscar a solução para os problemas de milhares de pessoas no Brasil. Depois, vimos o Design Visual sendo muito bem aplicado em seus materiais, desde seu site, seu app até seu cartão físico. Conseguiram ver a conexão das histórias?

Ambas são empresas que desafiaram completamente o status quo de seus ambientes, ambas inovaram com seu modo de pensar, com seus produtos e serviços e ambas se tornaram lovebrands.

Mas, por que eu disse que o Nubank é a nova Apple?

Simples, porque o Nubank fez exatamente como a Apple fez, num país extremamente burocrático e quadrado, e gerou uma mudança cultural onde pessoas não mais acreditam em bancos como anteriormente e uma mudança comportamental, onde não suportamos mais ter que assinar um simples papel para abrir uma conta, da mesma forma que não suportamos mais aqueles milhares de fios nos computadores convencionais e amamos ter um iMac que só tem um único fio que o faz funcionar. (Eu ainda não acredito nisso até hoje)

Recentemente o Nubank recebeu um aporte e vale hoje US$10 bilhões, e não foi atoa. Seu produto é bom, resolveu um problema gravíssimo e seus clientes o amam de verdade. E PASMEM, NÓS ESTAMOS PARTICIPANDO DISTO HOJE!

Sim, fazemos parte de uma revolução que mudou a história do país e de como ele se porta em relação aos serviços bancários, e ainda há muito o que fazer. Hoje podemos ver a quantidade de fintechs aqui no Brasil que foram influenciadas pelo Nubank, e também vemos os bancos tradicionais correndo atrás das coisas que o Nubank fez, tudo isto porque simplesmente esqueceram de simplificar tudo, e os clientes abriram seus olhos. A régua subiu.

Hoje o Nubank não é o banco mais valioso do país, mas possui o maior crescimento de todos em relação a tempo x crescimento exponencial. Recentemente expandiram para outros países, e estão começando uma nova revolução em outro lugar. Mas, eu costumo dizer uma coisa sempre:

"Se deu certo no Brasil, dá certo em qualquer lugar."


E sim, deu certo, e muito certo, e vai continuar dando. Vivemos o que o Nubank construiu e está construindo em meio a uma selva de burocracia infindável, e o produto se tornou blindado após passar pela maior prova de fogo: o sistema monopólio bancário brasileiro. E na minha concepção, tudo isto se deu pela forma “design” de se pensar, desde seu negócio até seu produto final, sua comunicação visual e verbal.

Como será o futuro?

Eu acredito que o futuro será roxo, pois eu realmente acredito no trabalho que o Nubank está fazendo. Admiro muito a maneira com que a profissão é tratada lá dentro, e como é respeitada e ouvida. Vejo um reconhecimento de forma geral dos clientes ao se sentirem bem por fazerem parte do Nubank, e são os mesmos sentimentos que senti quando vi algumas pessoas possuindo produtos Apple aqui no Brasil antigamente.

Sim, vi pessoas se gabando por terem seu roxinho, e eu era uma das pessoas que invejavam os outros por eu ser o único a não ter, exatamente como na Apple. E agora, na Apple temos o novo Apple Card, que aparentemente é mais um cartão de crédito, mas que estamos loucos para ter um desses na carteira.

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Os movimentos foram muito parecidos, mas acredito que hoje a Apple tem conhecimento do Nubank, e me arrisco a dizer que o Nu foi usado nos benchmarks da Maçã. Por que não?

É motivo de orgulho ver que uma empresa em solo brasileiro deu tão certo, na minha concepção e fez um maravilhoso trabalho tendo como o Design sua principal arma. Ver o Nubank, ver sua trajetória e seu avanço aqui me faz não querer mais ter nascido em uma época diferente e ter visto a Apple mudar o mundo. Agora é a vez do Nubank.

O que você acha disso?

Eu gostaria muito de entender como você pensa sobre este assunto, e estou aberto a todo tipo de opinião. Você concorda? Discorda? Me diz o que você achou!

Não foi fornecido texto alternativo para esta imagem

Caso queira um contato mais direto, você pode me chamar no LinkedIn ou no Instagram. Aguardo você! Obrigado por ler até aqui.

Referências

LÖBACH, B. Design industrial. Bases para a configuração dos produtos industriais. 1ed. São Paulo: Edgard Blücher, 2001.

Design no Nubank — https://medium.com/fjord-fala/design-no-nubank-2159d67b3848

Nubank vale US$10 bilhões — https://www.startse.com/noticia/startups/67133/nubank-investimento-400-milhoes